Pequena Introdução à Análise de Valor Agregado – EVA

A análise de valor agregado em projetos é uma ferramenta cujo uso em gerenciamento de projetos tem se difundido de forma muito veloz. O PMI ( www.pmi.org ) possui uma publicação chamada “practice standard for earned value management”, que inclui, além da análise, um guia de uso da ferramenta de maneira mais efetiva. Este padrão pode ser baixado pelo site do PMI por seus membros.

O termo EVA, na significação deste artigo (Earned Value Analysis) esté em desuso. O PMI substituiu todas as referências por EVM (Earned Value Management), pois EVA pode ser confundido com EVA®,  referência a Economic Value-added, uma metodologia patenteada pela consultoria Stern Stuart.

O gerenciamento do valor agregado consiste em medir a performance pela comparação do custo do projeto com seu valor agregado. De forma resumida, significa analisar três curvas de desempenho. Uma curva, representa o valor planejado ao longo do tempo, outra representa o valor realmente gerado até o momento e a terceira curva representa o valor do custo do projeto. No exemplo abaixo, é mostrado um projeto de R$ 50.000,00, atrasado e acima do custo previsto:

Gráfico 1: COTA x COTR x CRTR
Gráfico 1: COTA x COTR x CRTR

1.1 Principais Informações para cálculo do Valor Agregado:
1.1.1 COTA (PV)

Custo Orçado do Trabalho Agendado ou PV – Planned Value: É o custo planejado do projeto na sua linha de base, via de regra, o custo usado para o cotação do projeto. No Gráfico 1.1, está representado como a linha preta.

1.1.2 COTR (EV)

Custo Orçado do Trabalho Realizado ou EV – Earned Value: É o custo planejado do projeto para o trabalho realizado até o momento. No Gráfico 1.1, está representado como a linha azul. Como o valor atual da linha azul está abaixo da linha preta, o projeto está atrasado.

O COTR (EV) é o valor dos serviços realmente executados baseados nos preços orçados ou seja , é o valor da medição – em reais – de um empreendimento.

1.1.3 CRTR (AC)

Custo Real do Trabalho Realizado ou AC – Actual Cost: É o custo efetivamente desembolsado para o avanço atual do projeto. No Gráfico 1.1, está representado como a linha vermelha.
1.2 Principais Indicadores da análise de valor agregado

Os principais indicadores para análise de valor agregado são os seguintes:
1.2.1 SPI – Schedule Performance Index

Também chamdo de SV – schedule Variance. Representa o percentual de cumprimento do cronograma. Um projeto que cumpre exatamente os prazos planejados apresenta um índice de 100%. Este índice é dado pela seguinte fórmula:

Schedule Variance

Este índice pode ser entendido como a velocidade relativa ao previsto que o projeto está sendo executado. Por isso, se este índice for menor que 100%, o projeto está atrasado. No gráfico, ele pode ser melhor visualizado:

eva2Gráfico 2: Determinação do SPI
1.2.2 CPI – Cost Performance Index

É o custo total efetivo contra o previsto para o avanço atual do projeto. Pode ser expresso pela fórmula:

Cost Variance

Da mesma maneira que o SPI, o valor acima de 100% representa um projeto com desempenho melhor que o previsto na linha de base. Um projeto com CPI de 50%, por exemplo, esté custando o dobro do planejado, pois tem uma efetividade de 50% do valor aplicado.

Para este indicador, o valor de COTA, ou seja, o desempenho do cronograma, não é utilizado, pois leva em conta apenas o valor gasto para cada avanço físico. O gráfico que representa este indicador é assim:

1.3 Previsões de custos e prazos usando a metodologia EVA
1.3.1 Método Otimista

Segundo o método otimista, a diferença do cumprimento do cronograma ou de custos não constitui uma tendência de comportamento e pode ser considerada como um desvio de percurso que impactará nas novas tarefas apenas alterando a data de seu início.

Portanto, segundo este método, o atraso/adiantamento ou custo acima/abaixo do previsto continuará constante até o final do projeto. Como a maioria dos projetos atrasam e/ou têm custos acima do previsto, este método é chamado “método otimista”. Para o Projeto de exemplo, a previsão usando este método seria:

Método Otimista

Gráfico 4: Método Otimista de Previsão

Para este projeto de exemplo, teríamos:

COTR: R$ 12.800

COTA: R$ 21.000

CRTR: R$ 29.500

Custo da Linha de Base: R$ 50.000

Custo Previsto (Otimista) = (CRTR – COTR )+Custo da linha de Base

Custo Previsto (Otimista) = R$ 66.700

Duração na linha de base: 69 dias

Dias corridos até atualização: 32 dias

Quatro anos após a publicação e com quase 50.000 pageviews, em julho de 2012 o leitor Walter Uvo me chamou a atenção de que o cálculo estava errado. Muito obrigado por perceber e comunicar, Walter!  Acredito que tenha resolvido os problemas originais.

Atraso Atual = ((1 – SPI) x Tempo decorrido)
Atraso Atual = ((1-0,61) x 32 dias) = 12 dias

Previsão de duração (Otimista) = 83 dias
Método do Valor Mais provável ou Realista

O método do valor mais provável, ou realista, prevê que a velocidade ou efetividade dos custos do projeto continuarão com a mesma taxa de desvio que apresentam na medição mais recente, ou seja, o SPI e CPI permanecerão constantes durante o término do projeto.

Visualizando o gráfico do exemplo:

Método RealistaGráfico 5: Método Realista de Previsão

Calculando:

COTR: R$ 12.800

COTA: R$ 21.000

CRTR: R$ 29.500

Custo da Linha de Base: R$ 50.000

CPI = 12.800 / 29.500 = 0,42

Custo do projeto (Realista) = 50.000 / 0,42 = R$119.000

Duração na linha de base: 69 dias

SPI = 12.800 / 21.000 = 0,61

Duração do projeto (Realista) = 69 / 0,61 = 113 dias
1.3.2 Método Pessimista

Embora não seja o método mais usual, o método pessimista parte do pressuposto que as pessoas envolvidas no projeto colocarão mais empenho em um projeto que está atrasado, aumentando o custo na forma de horas extras e de maior mobilização de pessoal, de forma a tentar reverter um quadro de atraso. Considera-se, então, que o custo do projeto será dado pela multiplicação do CPI pelo SPI, cujo nome é SCI (Scheduled Cost Index).

Segue o exemplo do projeto anterior:

CPI = 0,42

SPI = 0.61

SCI = 0,42 x 0,61 = 0,256

Custo Previsto (pessimista) = R$50.000 / 0,256 = R$195.160,00

 

 

Guilherme Silva, PMP

Autor: Guilherme

Meu nome é Guilherme Silva, estou com 28 anos, tenho um filho que recentemente comemorou seu primeiro aniversário. Casado, morando em Porto Alegre, cursei engenharia mecânica, fiz MBA em gerenciamento de projetos e hoje faço pós-graduação em economia. Sou certificado PMP pelo PMI. Trabalho atualmente como consultor em gerenciamento de projetos pela empresa Conduta ( www.conduta-ti.com.br ), prestando serviços para o site Terra ( www.terra.com.br ). Contatos para qualquer finalidade, podem ser feitos através de meu e-mail guilherme@cerneprojetos.com.br. Outra maneira de entrar em contato comigo é através do site linkedin. Meu perfil está disponível através do link abaixo: http://www.linkedin.com/in/guilhermessilva

  • Aldo Mattos

    Parabéns, Guilherme, pela contribuição técnica! Earned Value, embora esteja no mercado há algum tempo, ainda nao é uma ferramenta cotidiana. É bom ver gente empenhada nessa batalha.
    Abraço,
    Aldo Mattos
    http://www.aldomattos.com

  • Emerson

    Parabéns pela iniciativa Guilherme, vc soube colocar de maneira bastante didática este o conceito de E.V.A
    Emerson

  • Aldo e Emerson,
    Muito obrigado pelas palavras. Este feedback é o mais importante para mim.
    Atenciosamente,
    Guilherme Silva.

  • Marco Ongarelli

    Caro Guilherme: Parabéns pela didatica na apresentação destes conceitos. Junto com o documento “Gerenciando Projetos no Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação de Interesse da Defesa Nacional (SisCTID)”
    (https://www.defesa.gov.br/ciencia_tecnologia/palestras/gerenciamento.pdf) que usa estes indicadores fiquei com uma boa noção destes indicadores
    Grato,
    Marco Ongarelli
    Diretoria de Gestão da Inovação
    CPqD – onga@cpqd.com.br

  • Marco,
    Agradeço muito o seu comentário. Vou adicionar o arquivo do ministério da defesa assim que reformular a minha seção (que hoje não existe) de links.
    Abraço,
    Guilherme Silva.

  • Anônimo

    Parabéns pela simplicidade e clareza em expor essa técnica tão útil. O entendimento ficou realmente muito facilitado pela forma como você detalhou as variáveis e uso da ferramenta.

  • Gil Bastos

    MUITO OBRIGADO!!! BRILHANTE…
    A clareza e a organização nos incentivam… Parabéns. Escreva mais coisas… Obrigado.
    Gil Bastos – Estatístico – Analista de planejamento.

  • O Renato Santana me enviou um e-mail com um erro em uma das fórmulas. Realmente, estava incorreto e foi corrigido.

    Agradeço ao Renato por me apontar este problema.

    Atenciosamente,
    Guilherme Silva.

  • Wilhiam

    .1.2 COTR (EV)

    Custo Orçado do Trabalho Realizado ou EV – Earned Value: É o custo planejado do projeto para o trabalho realizado até o momento. No Gráfico 1.1, está representado como a linha azul. Como o valor atual da linha azul está abaixo da linha preta, o projeto está atrasado.

    Guilherme…muito didatica sua exposição mas permita-me uma observação que faço quando relembro a dificuldade que tive em entender o COTR (EV) quandi li este assunto pela primeira vez a alguns anos atrás.
    Hoje credito esta dificuldade, em parte,a esta definição em lingua portuguesa.

    Quero dizer que, se na época, alguem tivesse definido assim como abaixo teria entendido na hora e nãe teria nenhuma dificuldade em fazer otras pessoas entenderem:

    O COTR (EV) é o valor dos serviços realmente executados baseados nos preços orçados ou seja simplesmente

    É O VALOR DA MEDIÇÃO.

    Este termo,MEDIÇÃO, a meu ver diz tudo, pois é de uso mais do que corriqueiro e de conhecimeto de todos que trabalham em obras ou projetos como um todo e ainda amplamente divulgado em nosso ambiente de trabalho e mais ainda se vc mediu menos do que esperava medir-do que estava planejado em um derteminado momento – é mais do que obvio e intuitivo que o serviço esta atrasado.

    Espero ter contribuido de alguma forma para dar maior clareza a este assunto

    abraços

    Wilhiam Toniolo
    silger.toniolo_logos@mmx.com.br
    Projeto MMX MINAS RIO – ANGLO AMERICA
    Coordenador de Planejamento

  • Toniolo,

    Alterei o texto, inserindo a sua contribuição, para melhorar o entendimento dos próximos leitores.

    Muito obrigado pela contribuição!

    Atenciosamente,
    Guilherme Silva.

  • Anônimo

    Gostaria de saber, qual a fórmula para atingir o ETC e o que seria o VAC e como posso achá-lo. Obrigada

  • Pablo dias

    Excelente material, muito didático

  • Marcela

    Olá Guilherme boa tarde!
    Estive procurando pela internet a interpretação do CPI – Cost Performance Index – e acabei encontrando seu site pela internet. Achei muito bom!!! Porém estou com uma dúvida, quando o CPI dá um número acima de 1, por exemplo, 2,34, como interpreto? Não consegui fazer um paralelo com $1,00 gasto, pois nesse caso não estou estourando o orçamento…
    Por exemplo, se meu CPI = 0,83, significa que a cada $1,00 gasto de capital realmene consumido, apenas 0,83 estão sendo convertidos fisicamente em produto,isso signifca que há uma perda de $0,17 para cada $1,00 gasto.
    Como interpreto se tiver a situação de CPI = 2,34, por exemplo?
    Muito obrigada se puder me ajudar!
    Um grande abraço,
    Marcela

  • Um CPI alto significa que você está conseguindo fazer o seu dinheiro “render” mais que o previsto. Ou seja, você orçou quando salvou a linha de base custos mais altos (seja por maior preço ou por quantitativos maiores) do que você está de fato necessitando gastar. Um CPI de 234%, por exemplo, significa que você está usando apenas 42% (1 / 2,34) do orçado para conseguir chegar no mesmo objetivo – ou seja, seu dinheiro está rendendo 234% (134% a acima) do que você orçou. Ou que você está “ganhando” R$1,34 a cada R$1,00 gasto! Isso é extremamente raro em um projeto real, e números como este normalmente indicam um erro de orçamento.

  • Farhad Abdollahyan

    Caro Gulherme,
    Para começar EVA quer dizer Economic Value-Added que é um conceito economico-financeiro e não de projetos. A sigla TVA (Técnica de Valor Agregado) ou GVA (Gestão do Valor Agregado) é EVM (Earned Value Management) em inglês.

    O Valor Agregado (EV) representa o escopo realizado no eixo de tempo, em outras palavras, é o andamento físico valorizado (medido) em termos do orçamento original (baseline). Em outras palavras EV é o valor, na ótica do cliente, acumulado ao longo do projeto que não corresponde ao custo incorrido necessariamente.

  • Miguel

    Farhad,
    Ainda que seja esclarecendo, seu comentário me pareceu um tanto agressivo “Para começar ..”. Sei que tem muita experiência, mas esta postura da a impressão de que se acha o dono da verdade. As pessoas que comentam e/ou tentam tirar dúvidas na internet não são seus alunos (eles também merecem tratamento melho). Pense nisso e sucesso.

  • Pedro Costa

    Guilherme, concordo com sua opinião.
    Tenho alguma experiência em empresas públicas. Nelas, em grande parte dos casos, o orçamento é elaborado com valores muito acima dos reais. Isto pode ocorrer devido o fato de ser bastante complexa a inclusão de preços novos em empresas como estas. Burocracia, falta de comprometimento de todos, etc, faz com que o orçamentista prefira aumentar o orçcamento quantitativamente e/ou com itens que não serão utilizados, do que correr o risco de enfrentar uma inclusão de preço e justificar uma “Lei Leiva” por exemplo. Se fosse realizada uma EVM nestes casos, o resultado seria bastante satisfatório, não pela execução do projeto, mas pelo orçamento inicial excessivamente caro.
    Obrigado

  • Joao Reis

    Cara marcela, olhando apenas a relação EV / AC conclui-se que o seu rendimento foi altamente rentavel. a cada 1$ investido agregou ao seu projeto 2,34$. Porem vamos um pouco mais longe. Vamos verificar o EV. qual foi a regra de EV usada. mudando a regra altera significativamente o resultado. pode ter havido um calculo com base na tecnica percentual, e a pessoa que que está 50%, afinal não está, está a 30%. a “fixed formula” pode causar erro visto que agrega valor automaticamente no inicio da atividade, quando isso realmente não acontece. quanto ao AC, veja se não se esqueceu de contabilizar os custos com materiais, mão de obra, maquinas, etc. alem do CPI, sugiro que calcule o TCPI que lhe dá o indice que tera de ter na proxima medição para que consiga atingir o BAC. caso esteja bem no começo do projeto este valor estará proximo do 1, o que lhe dá tranquilidade. se isto acontecer no final, está proximo de furar o orçamento. espero ter ajudado.

  • Vinicius

    Como podemos gerar o gráfico de previsão para a curva EV?

  • Pingback: Pequena Introdução à Análise de Valor Agregado – EVA()

  • Pingback: Pequena Introdução à Análise de Valor Agregado – EVA()

  • Walter Uvo

    pessoal, sei que já faz tempo que esse post foi publicado (2008), mais estou estudando para o exame agora e percebi que o calculo do SPI está ERRADO. Na verdade o valor é 0,61, sendo assim o o Prazo Mais Provavel é 113 dias e não o informado no POST acima.

  • Walter,

    Muito obrigado por apontar o erro. Eu já corrigi os dados no texto original.

    Abraço,
    Guilherme

  • GIORGIO D´ONOFRIO

    Guilherme
    Muitíssimo Obrigado pela didática oferecida.
    Em estudo, estou refazendo vossos exemplos e encontrei o CPI diferente do postado:
    Ao dividir 12.800(COTR) por 29.500(CRTR) é encontrado o valor de 0,4339, diferentemente dos 0,42 utilizado.
    Agradeço ter compartilhado este conhecimento conosco.

  • Renato

    Parabéns! Gostei muito se suas explicações , tanto que gostaria de sua ajuda nessa questão para responder aos dois últimos itens.
    Fiquei na duvida sobre as possíveis causas/consequência e quais as ações corretivas.
    E como seria uma analise separada para as tres obras.

    Segue o endereço:
    http://www.questoesdeconcursos.com.br/prova/arquivo_prova/28470/cespe-2012-mp-analista-de-infraestrutura-discursiva-area-l-prova.pdf

  • Excelente trabalho Guilherme. Meus parabéns!

    Posso divulgar o material?
    É bom que faz um link com site.

    Curtam a página:
    http://www.facebook.com/FirstPlann

    Abs.

  • Pedro H. Casals

    Parabéns! Excelente explicação e de fácil entendimento. Vou recomendar aos meus alunos.