Comemorando 15 anos do Plano Real

Pouca gente lembrou, mas no final de fevereiro completou 15 anos o lançamento da Medida Provisória – MP nº 434, de 27 fevereiro 1994 (Lei nº 8.880, de 27 maio 1994), que introduziu a Unidade Real de Valor – URV no Sistema Financeiro Nacional e deu o pontapé inicial para o processo de estabilização da economia brasileira.

Quem tem menos de 30 anos talvez não se entenda que houve uma época em que os preços aumentavam 1,5% ao dia – quase três vezes a inflação de fevereiro. Os supermercados punham funcionários a remarcar o valor dos produtos praticamente de hora em hora. Em dezembro de 1993, um alimento comum na mesa dos brasileiros, o tomate, registrou um reajuste de preço recorde de 100%.

Era a inflação, verdadeiro sumidouro de dinheiro que corroía salários e consumia cifras assustadoras da riqueza nacional. Em 2009, o dragão da inflação é uma realidade contada apenas em livros de história, a ponto de apagar-se da memória coletiva. O mérito por esta proeza foi do Plano Real, que foi o único programa anti-inflacionário que obteve o êxito de controlar a inflação e estabilizar a economia.

De 1986 a 1994, foram seis tentativas de conter a inflação: Cruzado 1 e 2, Bresser, Verão, e Collor 1 e 2.

Implantada em três etapas, a estabilização se iniciou em junho de 1993. O Programa de Ação Imediata (PAI) foi a medida para a redução e organização dos gastos da União, primeiro passo na arrumação da casa.

Em um segundo momento, já em 1994, veio o golpe de mestre na inflação com a desindexação dos preços. Seu nome era URV (Unidade Real de Valor) e serviu de referencial de valores até a desmonetização da velha moeda (o cruzeiro real). Salários, contratos e preços foram fixados por este indexador publicado diariamente com base em uma cesta de índices e muitos cálculos. Finalmente, em 30 de junho de 1994, foi editada a medida provisória 542, a MP do Plano Real. Pela primeira vez em 60 anos, o dinheiro nacional não começava com a letra “C”.

O Real estabilizou a economia e resgatou o papel da moeda. As três funções básicas do dinheiro, unidade de conta, reserva de valor e meio de pagamento, haviam se perdido.

Mas os anos do Real não foram um mar de rosas, muito longe disso. O Brasil teve que recorrer por três vezes ao Fundo Monetário Internacional enquanto enfrentava as crises cambiaisque partiram do México, da Ásia, da Russia e do próprio país, em anos alternados.

Em todas as crises o Brasil enfrentou o ataque voraz dos especuladores porque não dispunha de reservar internacionais e estava atrelado a uma política cambial que valorizava o real em relação ao dólar. Hoje existe um certo consenso que o plano exagerou na âncora cambial e acabou deixando o País muito vulnerável.

Livros sobre a época contam que, em outubro de 1994, o câmbio provocou uma forte discussão interna entre os membros da equipe econômica Gustavo Franco e Pérsio Arida, ex-presidente do BNDES. “Você está maluco, esse processo de valorização tem que parar”, dizia Arida de um lado. Do outro Franco argumentava que uma desvalorização do Real implicaria a volta da inflação.

Hoje Franco, Malan e FHC admitem que o câmbio poderia ter sido menos valorizado, para desgosto dos exportadores brasileiros, os mais atingidos com um real forte em relação ao dólar.

Outro ponto fraco do plano foi a questão dos juros. A média da taxa Selic na gestão FHC (1995-2002) girou em torno dos 26,5%. Nos momentos mais críticos a taxa de juros chegou a incríveis 54% ao ano.

Embora depois de 15 anos a polêmica sobre os juros pareça ser a maior consequência das mudanças promovidas pelo Real, é preciso lembrar que o País cresceu quase 47% de 1994 a 2008.

Discussões econômicas e filosóficas a parte, é certo que o Brasil foi dormir de um jeito em 26 de fevereiro de 1994 e acordou um país completamente diferente no dia seguinte.

Bibliografia:
Revista Isto É Dinheiro, edição 599 de 1 de abril de 2009
Revista Isto É, edição 2.055 de 1 de abril de 2009

Autor: Alexsandro Rebello Bonatto

Sou economista, especialista em Economia e Finanças com MBA em Gestão Empresarial. Sou professor de economia de um curso de Tecnologia e sócio de uma consultoria especializada em treinamentos corportivos. Meu trabalho pode ser conferido no site: www.venturacorporate.com.br