BINGO! COPOM comunica juros a 12,5% e desagrada comércio e indústria

São Paulo, 21 de Julho de 2011.

ECONOMIA & FINANÇAS

BINGO! COPOM comunica juros a 12,5% e desagrada comércio e indústria

Por Thiago Flores*

Em face dos cenários incertos na economia, cenários e mercados nacionais e internacionais e do balanço de riscos para a inflação, o Banco Central anunciou um aumento de 0,25 bps, em linha com o artigo publicado ontem, perfazendo 12,5% a taxa de juros este ano. Em minha opinião, o ciclo do aperto deve continuar para manter a inflação sob controle e a fim de manter a meta para 4,5% no IPCA este ano. `

De acordo com outras publicações que mensuram satisfação, A decisão do Copom de elevar para 12,50% ao ano a taxa básica de juros, a Selic, não agradou nenhum segmento da economia, da indústria ao comércio e os sindicatos, que consideraram a elevação injusta, negativa, inadequada e equivocada, algo também esperado.

O professor do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), José Dutra Sobrinho, avaliou que não seria necessário um novo aumento na taxa básica de juros da economia brasileira. Em 12,25% ao ano, segundo ele, a taxa já se encontrava em um patamar extremamente elevado, e resultaria em uma inflação em torno de 6,3% neste ano – abaixo do teto de 6,5% do sistema de metas.

Com o aumento dos juros, aumenta-se o investimento direto produtivo e especulativo no mercado nacional, mantendo o real valorizado frente as demais moedas, sobrevalorizando o cambio local e por sua vez facilitando as importações, tornando-se um ciclo com efeitos diretos e outros marginais no desaquecimento da economia brasileira.

Este é o quinto aumento consecutivo da taxa de juros, que vem subindo desde o início deste ano com o objetivo de conter pressões inflacionárias. Para evitar uma alta maior dos preços, o BC atua para conter a procura por produtos e serviços. Em 2011, os juros brasileiros avançaram 1,75 ponto percentual, visto que estavam em 10,75% ao ano no final do ano passado.

Ao fim do encontro, o BC divulgou a seguinte frase: “Avaliando o cenário prospectivo e o balanço de riscos para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, neste momento, elevar a taxa Selic para 12,50% a.a., sem viés”. Com isso, retirou do comunicado a avaliação de que os juros subiriam por um “período suficientemente prolongado” de tempo, o que pode ser uma indicação de que o processo de aumento dos juros estaria próximo do fim, o que não acredito.

 

*Thiago Flores é Administrador – EAESP-FGV, Mestre em Economia de Negócios – EESP – FGV, Mestre em Finanças – IBMEC/INSPER –SP, Consultor de empresas e CFO à FF Consult ®

www.ffconsult.com

ffconsult@ffconsult.com

twitter.com/FF_Consult

www.facebook.com/FFConsult

ffconsult.blog.com

www.youtube.com/user/FFConsult2011

 

Autor: Thiago Flores - FF Consult

*Thiago Flores é Administrador – EAESP-FGV, Mestre em Economia de Negócios – EESP – FGV, Mestre em Finanças – IBMEC/INSPER –SP, Consultor de empresas e CFO à FF Consult ® www.ffconsult.com ffconsult@ffconsult.com twitter.com/FF_Consult www.facebook.com/FFConsult ffconsult.blog.com www.youtube.com/user/FFConsult2011