A semana passada

22 de janeiro – o senador romano Stefano Pedica, envolto numa corrente, protestou em frente à embaixada brasileiro em Roma: “Bin Laden, peça asilo ao Brasil. O protesto se refere à decisão do governo brasileiro em negar a extradição e conceder asilo político ao italiano Cesare Battisti, ex-militante de esquerda condenado à prisão perétua por quatro assassinatos em seu país.

24 de janeiro – é registrada a quinta morte em cruzeiros em apenas um mês. Faleceu a professora mineira Jane Botelho, de 58 anos num hospital em Camboriú (SC).

24 de janeiro – o Papa Bento XVI cancelou a excomunhão de quatro bisbos de um grupo ultraconservador, a Sociedade São Pio X. Eles tinham sido excomunhados por JOão Paulo HH em 1988, depois de ordenados bisops por Marcel Lefebve. Também excoomunhado, esse arcebispo francês foi o chefe da reação tradicionalista à modernização promovida pelo Concílio Vaticano II, nos anos 60. Seria um assunto interno da Igreja, não fosse um desses bispos, o inglês Richard Williamson, um notório antissemita. Em novembro, em uma entrevista pela televisão, ele negou a existência do holocausto e, de quebra, sugeriu que os Estados Unidos teriam orquestrado os ataques terroristas de 11 de setembro. Os protestgos entre os judeus foram imediatos, ameaçando o futuro de meio século de diálogo judaico-católico.

25 de janeiro – a amioria dos bolivianos (61,4%, segundo dados oficiais) aprovou uma nova Constituição para o país. O documento prevê mais voz, mais terra e mais recursos para a população indígena. Aumenta o papel do Estado na Economia, fortalecendo o controle centralizado dos recursos naturais do país. E reforça os poderes presidenciais, permitindo a reeleição por um mandato de cinco anos.

26 de janeiro – Barack Obama optou por uma emissora de notícias árabe para sua primeira entrevista como presidente eleito. Para analistas este gesto sinaliza que a Guerra ao Terror iniciada no Governo Bush acabou.

26 de janeiro – empresas de todas as partes do planeta anunciaram cortes de postos de trabalho que, juntos, somaram 75 mil demissões. O maior corte foi anunciado pela americana Caterpillar, de máquinas e equipamentos, que sozinha demitiu 20 mil trabalhadores.

26 de janeiro – o primeiro-ministro da Islândia, o conservador Geir Haarde, alegou problemas de saúde – foi descoberto um tumor maligno em sua garganta – anunciou a saída da vida pública e pediu eleições antecipadas para 9 de maio. Sua provável sucessora é a ministra de Assuntos Sociais, Jóhanna Sigurdardóttir, de 66 anos. Líder dos Social-Democratas, ela será a primeira primeira-ministra abertamente gay da Europa – além de ser a pimeira mulher a assumir o governo de um país nórdico. O real motivo da saída de Haarde foram os seguidos protestos de manifestantes, que nas últimas semana levaram centenas de milhares de pessoas às ruas da capital, Reykjavík, ele era considerado um dos principais culpados do colapso bancário, pela escalada da inflação e ploe aumento do desemprego.

26 de janeiro – Henrique Meirelles completou exatos seis anos e 24 dias à frente do Banco Central. Com essa marca, ele se tornou o mais longevo presidente do BC em toda a história, deixando pra trás Ernane Galvêas, que ocupou o cargo durante o regime militar.

26 de janeiro – enquanto o fluxo global de investimentos caiu 21% de acordo com o UNCTAD órgão da ONU para o Comércio e Desenvolvimento) o Banco Central brasileiro divulgou que o ingresso de investimentos estrangeiros diretos em 2008 foi de US$ 45,1 bilhões no País. Esse valor é 30,3% maior do que em 2007.

26 de janeiro – o Governo Federal passou a exigir licenças prévias de importação para cerca de 3 mil produtos comprador por empresas brasileiras, o equivalente a 60% de tudo o que o país importa. A decisão foi revogada em 48 horas, após uma grita geral de empresários e dos parceiros comerciais do Brasil. No fim a confusão acabou servindo para duas coisas: deixou os parceiros comerciais do país desconfiados e gerou uma pane no sistema de informática que registra os pedidos de importação. Enquanto durou a medida, importadored, com medo de atrasos em seus negócios desencadearam uma enxurrada de pedidos de licença. Em vez das 2 mil requisições por dia, o Ministério do Desenvolvimento recebeu 28 mil. Com isso o sistema travou.

27 de janeiro – o Ministério do Planejamento anunciou o bloqueio de R$ 37 bilhões do Orçamento Geral da União – valor equivalente a 25% das despesas previstas para 2009. É o maior corte dos últimos anos e pode ser revisto em março, quando haverá uma avaliação mais detalhada da arrecadação do Governo Federal.

28 de janeiro – a agência russa Interfax anunciou que Moscou estava abandonando planos de instalar um escudo de mísseis na região de Kalingrado, ao norte da Polônia. “A decisão é um gesto de simpatia ao governo de Barack Obama”, teria dito um general russo ao comentar a notícia.

29 de janeiro – a Câmara dos Representantes aprovou o estímulo econômico de US$ 819 bilhões proposto por Barack Obama, principal iniciativa para mitigar a pior crise do país desde a Grande Depressão. O plano prevê US$ 275 bilhões em cortes de impostos e US$ 544 bilhões em gastos do governo em áreas como infra-estrutura, energia, saude e tecnologia. Parte do valor també será destinada a programas de assistência a desempregados e a Estados e municípios que enfrentam dificuldades financeiras. As bolsas fecharam em alta, de Nova York a Frankfurt, de Tóqui à São Paulo, mas o entusiasmo decorreu menos da aprovação do pacote e mais de notícias segundo as quais o governo americano estuda criar uma institução financeirapara abirgar toda a papelada podre dos bancos, desintoxicando o mercado.

Bibliografia:
Revista da Semana, edição 73 de 5 de fevereiro de 2009
Revista Época, edição
559 de 2 de fevereiro de 2009
Revista Isto É, edição 2.047 de 4 de fevereiro
Revista Isto É Dinheiro, edição 590 de 28 de
janeiro de 2009
Revista Isto É Dinheiro, edição 591 de 4 de fevereiro de 2009
Revista Veja, edição 2.098 de 4 de fevereiro de 2009

Autor: Alexsandro Rebello Bonatto

Sou economista, especialista em Economia e Finanças com MBA em Gestão Empresarial. Sou professor de economia de um curso de Tecnologia e sócio de uma consultoria especializada em treinamentos corportivos. Meu trabalho pode ser conferido no site: www.venturacorporate.com.br