As 48 leis do poder – Lei 2 – Não confie demais nos amigos, aprenda a usar os inimigos

Cautela com os amigos – eles o trairão mais rapidamente, pois são facilmente levados à inveja. Eles também se tornam mimados e tirânicos. Mas contrate um ex-inimigo e ele lhe será mais fiel que um amigo, porque tem mais a provar. De fato, você tem mais a temer por parte dos amigos do que dos inimigos. Se você não tem inimigos, descubra um jeito de tê-los.

Esta semana vou comentar sobre a a segunda lei do livro “As 48 leis do poder” de Robert Greene e Joost Elffers. O livro descreve, sem meias palavras, os padrões de comportamento de grandes líderes do passado. Muita gente acha o livro maquiavélico demais, mas acredito que cada uma das leis deve ser analisada friamente e usada com moderação. Adoraria conhecer a opinião de todos sobre estes assuntos.

A segunda lei se chama “Não confie demais nos amigos, aprenda a usar os inimigos”. O seu sumário diz:

Cautela com os amigos – eles o trairão mais rapidamente, pois são facilmente levados à inveja. Eles também se tornam mimados e tirânicos. Mas contrate um ex-inimigo e ele lhe será mais fiel que um amigo, porque tem mais a provar. De fato, você tem mais a temer por parte dos amigos do que dos inimigos. Se você não tem inimigos, descubra um jeito de tê-los.

O texto do capítulo apresenta como argumento principal para esta formulação da lei o fato de seus amigos geralmente concordarem com você – mas só para evitar discussão – disfarçando assim suas qualidades desagradáveis para que não hajam ofensas mútuas. Por isso, você nunca teria certeza de conhecer bem os seus amigos, mas uma imagem do que eles querem passar para você.

Eu, pessoalmente, acredito em meus amigos e na amizade. Acredito que a grande maioria das pessoas são boas, e que não devemos ter inimigos. Muito embora o texto diga que, nas minhas palavras, o bom mesmo é ter ex-inimigos, pois eles terão de se provar constantemente, eu não acredito que semear inimigos valha a pena em quaisquer circunstâncias.

O livro é categórico. Chega a insinuar “Se você não tem inimigos, descubra um jeito de tê-los“. Isso, para mim, é besteira, mas que é possível reverter um inimigo, tornando-o um amigo fiel pelo resto da vida, isso é.

Discuta este post: As 48 leis do poder – Lei 2 – Não confie demais nos amigos, aprenda a usar os inimigos – Gerenciando.com.br

Autor: Guilherme

Meu nome é Guilherme Silva, estou com 28 anos, tenho um filho que recentemente comemorou seu primeiro aniversário. Casado, morando em Porto Alegre, cursei engenharia mecânica, fiz MBA em gerenciamento de projetos e hoje faço pós-graduação em economia. Sou certificado PMP pelo PMI. Trabalho atualmente como consultor em gerenciamento de projetos pela empresa Conduta ( www.conduta-ti.com.br ), prestando serviços para o site Terra ( www.terra.com.br ). Contatos para qualquer finalidade, podem ser feitos através de meu e-mail guilherme@cerneprojetos.com.br. Outra maneira de entrar em contato comigo é através do site linkedin. Meu perfil está disponível através do link abaixo: http://www.linkedin.com/in/guilhermessilva

  • Leonardo

    Eu concordo com você.

    =)

  • Xirlei

    Eu concordo em parte com o livro, pois passei na pele o que é a inveja de um “amigo”, e ser traída por esse “amigo” no ambiente de trabalho.
    Outros amigos roubaram idéias minhas para publicações.
    Descobri que não se pode confiar totalmente, pois na primeira oportunidade a pessoa pode te tirar o chão, aquele que você acha que conhece acaba te dando uma invertida.
    Aprendi muito com isso, embora ainda acabo confiando demais.

  • guia

    Ñ concordo com que espelha o livro, a uma grande relatividade no tema em causa.
    Segundo a velha máxima onde a bem a mal, os amigos podem fazer-nos mal, mas estão sujeitos a fazerem mais o bem!
    Tenho dito…

  • julia

    xirlei vc passou por isso uma ou algumas vezes ,não devermos generalizar ,acredito que tem pessoas que se tornam amigos por conveniência,se te machucaram nunca foram seus amigos,mas temos que ter uma postura madura,tratar com respeito aqueles que nos magoaram,infelizmente confiança quando perdida,jamais se recupera

  • Alcimar Monteiro

    Eu costumo pensar nas pessoas como seres amorfos (somos 65% de água ironicamente), então todos com o tempo vão se moldar ao ambiente, ou, por não concordarem, abandoná-lo. O bem e o mal são relativos. As situações moldam o carater das pessoas. O instinto de sobrevivência fala mais alto.

    Já tive 3 experiências de contratar ou indicar um amigo para uma função que ficava abaixo da minha ou de mesma igualidade e, infelizmente, Robert Greene estava certo e nas 3 situações, a segunda lei se comprovou. Há aproximadamente, uns 3 ou 4 anos, tirei um bom tempo para observar o ser humano nas corporações e analisar muito minhas ações, não as recentes, mas as já sedimentadas.

    Se você gosta dos seus amigos e os quer sempre perto de você durante toda a vida, nunca misture Amor, Política e Trabalho nesta receita, pois o resultado é azedo.